História

Para entendermos a história da Associação Okinawa
faz-se necessário compreendermos o que levou o povo japonês
a vir para o Brasil e também um pouco de sua história.

ANO EVENTO
1908


Fonte: http://www.suapesquisa.com/historiadobrasil/imigracao_japonesa.htm

Em 1908, o Kasato Maru trouxe o primeiro grupo oficial de imigrantes japoneses para o Brasil. A viagem começou no porto de Kobe e terminou, 52 dias depois, no Porto de Santos em 18 de Junho de 1908. Vieram 165 famílias (781 pessoas) que foram trabalhar nos cafezais do oeste paulista.

Alguns imigrantes japoneses chegaram ao Brasil antes do Kasato Maru, e até chegaram a fundar uma colônia agrícola na fazenda Santo Antônio, no atual município de Conceição de Macabu (então distrito de Macaé), no estado do Rio de Janeiro1. Entretanto, foi a chegada deste primeiro grupo trazido pelo Kasato Maru que iniciou um fluxo contínuo de imigração de japoneses para o Brasil.

Nos primeiros dez anos da imigração, aproximadamente quinze mil japoneses chegaram ao Brasil. Este número aumentou muito com o início da Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Pesquisas indicam que de 1918 até 1940, aproximadamente 160 mil japoneses vieram morar em terras brasileiras. A maioria dos imigrantes preferiam o estado de São Paulo, pois nesta região já estavam formados bairros e até mesmo colônias com um grande número de japoneses. Porém, algumas famílias espalharam-se para outros cantos do Brasil como, por exemplo, agricultura no norte do Paraná, produção de borracha na Amazônia, plantações de pimenta no Pará, entre outras.

O começo da imigração foi um período difícil, pois os japoneses se depararam com muitas dificuldades. A língua diferente, os costumes, a religião ,o clima, a alimentação e até mesmo o preconceito tornaram-se barreiras à integração dos nipônicos aqui no Brasil. Muitas famílias tentavam retornar ao país de origem, porém, eram impedidas pelos fazendeiros, que as obrigavam a cumprir o contrato de trabalho, que geralmente era desfavorável aos japoneses. Mesmo assim, eles venceram estes problemas e prosperam. Embora a ideia inicial da maioria fosse retornar para a terra natal, muitos optaram por fazer a vida em solo brasileiro obtendo grande sucesso.

1. GOMES, Marcelo Abreu. Antes do Kasato Maru…Centenário da Colônia Agrícola Japonesa da Fazenda Santo Antônio. Conceição de Macabu: 2008..

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Kasato_Maru

1917
a
1919
Nos anos de 1917 a 1919, é que teriam ocorrido, conforme assentamentos históricos, a entrada no Brasil de contingente expressivo de imigrantes egressos daquela província, contratado diretamente com o Governo Japonês por cafeicultores do interior do Estado de São Paulo.A inexperiência nas lides agrárias brasileiras, totalmente adversas daquelas com que estavam acostumadas em sua terra de origem, agravada pelo brutal choque cultural, principalmente no que se referia à comunicação e alimentação, levaram-nos ao quase desespero, o que teria induzido a abandonar as fazendas onde trabalhavam e seguirem para a região da linha férrea Santos a Juquiá, no Estado de São Paulo, parte, concentrando em Santos e na localidade denominada Ana Dias e arredores naquele mesmo Estado. Outros vieram para Campo Grande, regiões em que já existiam concentrações de imigrantes Okinawa-Kenjin e, os pioneiros, entrando pela Bacia do Prata, rumaram pelo rio Paraguai até Porto Esperança, na região de Corumbá, Estado de Mato Grosso uno, hoje Estado de Mato Grosso do Sul, para integrar-se ao contingente da construção da estrada de ferro Noroeste do Brasil.Diante das dificuldades com que se deparava em terras totalmente estranhas e até inóspitas, mormente de costumes, gastronomia e línguas totalmente diferentes, objetivando a busca de auxílios e proteções mútuos, iniciaram em Santos, Ana Dias e Campo Grande, movimentos para criação e fundação de associações denominadas Kenjinkai, nas diversas regiões do País, seguindo o exemplo de Santos, que já em 1916, teria sido fundada associação para idêntica finalidade.Alguns assentamentos históricos da imigração japonesa em Campo Grande registram que a primeira entidade associativa de imigrantes Okinawa-kenjin, em nossa cidade, fora fundada, oficialmente, em 1922, embora, de acordo com alguns depoimentos, mesmo antes, daquele ano, em algumas colônias com concentrações Okinawa-Kenjin, no Município já existiam associações semelhantes.

1922 A retrospectiva mostra que a história da Associação Okinawa retrata, de forma inquestionável, a própria historia da Imigração Japonesa e, ainda, a própria história de Campo Grande, em perfeita simbiose, a partir da chegada do navio Kasato Maru, em 18 de junho de 1908, vez que, do contingente de 781 imigrantes a bordo, 325 eram originários da província japonesa de Okinawa, dos quais perto de 20% deles passaram, a partir de 1914, a se radicar no município de Campo Grande, então Estado de Mato Grosso uno, atualmente Estado de Mato Grosso do Sul, após o término da construção da linha férrea Noroeste do Brasil, que participaram na sua construção, e, hoje, os imigrantes egressos da Província Japonesa de Okinawa e seus descendentes, representam cerca de 65% da Comunidade Nipo-descendentes em Campo Grande.

Aqueles imigrantes pioneiros, em 1922, fundaram a Associação Okinawa de Campo Grande-MS, que vem, desde então, sendo sequenciada pelas sucessivas imigrações e seus descendentes, até os dias de hoje.


1926 Àquela época, ou seja, nos primórdios do século passado, cerca de 28 representantes das associações já existentes em várias regiões do País, com concentração de imigrantes Okinawa-kenjin, começaram a desenvolver tratativas com vistas a fundar uma entidade maior, que coordenasse e congregasse todas as associações Okinawa-kenjin fundadas no País, reuniram-se na Capital do Estado de São Paulo, em 22/08/1926, e criaram e fundaram oficialmente a KYUYO KYOKAI, com filiação de 40 associações existentes então em todo País, abrangendo cerca de 3.000 associados, dentre as quais, a associação criada em Campo Grande.A associação KYUYO KYOKAI, assim como todas as filiais vinham desenvolvendo seus trabalhos normalmente, até que, em dezembro de 1941, com a deflagração da 2ª Guerra Mundial, a KYUYO KYOKAI e todas as demais associações congêneres existentes no País, inclusive a de Campo Grande, por determinação do Governo Brasileiro, foram compelidas a paralisar as suas atividades.

1939
a
1945
Durante o período da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), os japoneses enfrentaram muitos problemas em território brasileiro. O Brasil entrou no conflito ao lado dos aliados, declarando guerra aos países do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). Durante os anos da guerra a imigração de japoneses para o Brasil foi proibida e vários atos do governo brasileiro prejudicaram os japoneses e seus descendentes. O presidente Getúlio Vargas proibiu o uso da língua japonesa e as manifestações culturais nipônicas foram consideradas atitudes criminosas.Com o término da Segunda Guerra Mundial, as leis contrárias à imigração japonesas foram canceladas e o fluxo de imigrantes para o Brasil voltou a crescer. Neste período, além das lavouras, muitos japoneses buscavam as grandes cidades para trabalharem na indústria, no comércio e no setor de serviços.Apesar de cessada a proibição de funcionamento das organizações associativas estrangeiras, todas as entidades de imigrantes Okinawa-kenjin, talvez temerosos de represálias, permaneceram inertes, ainda, por alguns anos.A derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial deixou graves sequelas aos imigrantes japoneses radicados no Brasil, dividindo a comunidade nipônica em dois grupos, mormente pelas dificuldades e demora das comunicações de então, de um lado, formou-se o grupo daqueles que não acreditava e não aceitava a ideia da derrota do Japão e, de outro lado, o grupo que se conformou com a realidade.Em razão de conflitos ideológicos, principalmente decorrentes da guerra, surgiram várias lideranças na Comunidade, tanto de uma parte, como da outra, deteriorando sobremaneira a convivência interna, tornando o ambiente quase que insuportável entre os próprios Okinawa-kenjin na nossa cidade, fato que, também, teria ocorrido em diversas regiões do País.

1947 Em 1947, o Sr. Tamashiro Sensuke, tomando conhecimento do estado de penúria extrema que vinham experimentando o povo de Okinawa, no Japão, sequelas consectárias da 2ª Guerra Mundial, reuniu-se com alguns amigos e patrícios radicados no Brasil e resolveram fundar uma nova entidade que se denominou OKINAWA KYUYEM RENMEI – OKINAWA BUNKA KYUYEN KYOKAI -, a primeira organização pós-guerra, com vistas a angariar fundos, mantimentos e remédios para assistência ao povo daquela Província Japonesa, suas origens, conseguindo fazer a primeira remessa de auxílio em setembro daquele mesmo ano.

1953 A OKINAWA KYUYEM RENMEI – OKINAWA BUNKA KYUYEN KYOKAI foi dissolvida pelos seus fundadores em 1953, criando, simultaneamente, a ZENHAKU OKINAWA KAIGAI KYOKAI, inclusive em Campo Grande, cuja denominação os seus fundadores entendiam que era a mais adequada, em função de a Província de Okinawa haver sido passada, após a guerra, ao domínio dos Estados Unidos da América do Norte.

1962 Assim, em 1962, a diretoria da Associação Okinawa, que até então funcionava na sede do NIPPONJINKAI, liderada pelo Comendador Oshiro Takemori, adquiriu terreno em outra localidade, inclusive parte por doação do próprio Comendador, onde promoveu a edificação de sua Sede própria na rua dos Barbosas nº 110, nesta Capital.

1966 Em 17/09/1966, foi inaugurada a Sede própria passando a Associação a funcionar, a partir de então, em sua nova Sede.

1976 A diretoria da Associação Okinawa de Campo Grande, de então, reconhecendo a liderança do Comendador Oshiro Takemori, seu auxílio e determinação para concretizar a obra, assim como outros grandes feitos em defesa dos interesses da Comunidade, após a sua morte e por ocasião do transcurso do 10º aniversário da nova Sede, resolveu mandar confeccionar um busto, em bronze, em sua homenagem, que se encontra erigido nas dependências da Associação.

1977 Em 1977, com a reintegração da Província de Okinawa ao território Japonês, os associados da ZENHAKU OKINAWA KAIGAI KYOKAI resolveram adequar a denominação para ZAI HAKU OKINAWA KYOKAI.

1998 Em 1998, em assembléia geral, transformaram a  ZAI HAKU OKINAWA KYOKAI em BRASIL OKINAWA KENJIN KAI, com personalidade jurídica de ASSOCIAÇÃO OKINAWA KENJIN DO BRASIL, que perdura até hoje.

2008

 

COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DA IMIGRAÇÃO JAPONESA DE OKINAWA EM CAMPO GRANDE-MS.
A Associação Okinawa de Campo Grande-MS promoveu, nos dias 25 a 27 de agosto de 2008, Grandioso Evento Comemorativo ao Centenário da Imigração Japonesa de Okinawa em Campo Grande, com a presença de S.Exa. a Vice-Governadora da Província de Okinawa-Japão, Srª KATSUKO ASATO, acompanhada da comitiva composta por Matsumoto Hajime; Matsumoto Shinichi; Oshiro Masayuki; Kiyan Atsushi; Kawamiktsu Shigueo e Katsuren Morihiro, assim como de S.Exa. o Presidente da Assembléia Legislativa de Okinawa-ken, Sr. ZENSHIN TAKAMINE e sua comitiva integrada por Shingaki Tetsuji, Kayo Sogi; Urasaki Isho; Takashiki Kiyoko; Yoshida Katsuhiro; Maeda Massaki; Nadada Hiroki; Toyama Shinichi; Toma Morio e Nakagawa Kyoki. Assessores: Kayo Yasuaki; Kugai Hitoshi e Ogiyama Junichi.
EVENTOS:
Dia 25 e 26/08/2008 – 14h às 23h
EXPOSIÇÃO, FEIRA DE NEGÓCIOS E ATENDIMENTO EMPRESARIAL
Data: 25 e 26/08/2008
Horários de Atendimento: 19h às 23h.
Dia 25/08/2008 – 14h às 22h
14 horas – Abertura do Evento
Atração cultural: Coral da Associação esportiva e Cultural Nipo-Brasileira, sob a regência da Maestrina Tokiko Yamamoto;
TREINAMENTO EMPRESARIAL
15 às 16 horas: Treinamento Empresarial
Palestra: Boas Práticas na Manipulação de Alimentos –
Instituição: Sebrae-MS
14h às 22h:
EXPOSIÇÃO, FEIRA DE NEGÓCIOS E ATENDIMENTO EMPRESARIAL
OFICINAS
15h às 18h – Oficina de Ikebana – FUNDAÇÃO MOKITI OKADA
15h às 18h – Oficina de Cerâmica – ASSOCIAÇÃO OKINAWA

Dia 26/08/2008 – 09h às 23h
08h30min – Café da manhã e Encontro de Negócios
09h às 10h– Casos de Sucessos de Empreendimentos – Instituição – Caixa Econômica Federal;
10h às 11h – Correios – Exporta Fácil – Instituição: Correios.

Dia 26.08.2008 – 18 h. às 23:00 h.
A cerimônia Comemorativa ao Centenário da Imigração Japonesa de Okinawa em sua Sede Social, contou com presença massiva de associados; membros da Comunidade, Presidente da Assembléia Legislativa de Okinawa, Sr. Zenhin Takamine e Prefeito da Cidade de Nago-Okinawa, Sr. Yoshikazu Shimabukuro e, ainda, dos membros das respectivas Comitivas abaixo nominadas, com homenagens aos primeiros imigrantes do Kasato Maru que radicaram em Campo Grande, assim como apresentação de Sanshin (Kari), Taikô e inúmeras danças clássicas e folclóricas.
Os descendentes dos imigrantes do Kasato Maru, independentemente da Província Japonesa de origem, em nome de seus antepassados, foram agraciados, pela Associação, com troféus personalizados e comemorativos ao Centenário, por indicação do Vice-Presidente de Consultoria Patrimonial e Presidente da Comissão de Eventos-Centenário, Sr. Acelino Sinjó Nakasato, que, por cerca de seis meses, compartilhando com a professora Sonoko Akamine, de São Paulo, empenhou-se na difícil pesquisa sobre os primórdios da imigração japonesa em Campo Grande, resultando em importante acervo histórico assentado na Revista Comemorativa. Os imigrantes do Kasato Maru homenageados foram: Bisaburo Arakaki; Kame Arakaki; Gehei Kanashiro; Goro Chinen; Jiro Ikehara; Kama Shimabukuro; Kame Shimabukuro; Matsu Arakaki; Kamato Oshiro; Uto Oshiro; Kame Hokama; Mito Hokama; Kame Ota; Kamato Ota; Kameichi Kakazu; Kame Kakazu; Keisaburo Yoza; Koki Oshiro; Kame Oshiro;Masu Maekawa; Muta Tamazato; Rinichi Isechi; Chie Hirayama; Ryoso Oshiro; Sakae Arimura; Shimpei Yassuda; Kono Yassuda; Yonimon Honda; Kika Honda; Yoshisaburo Ishikawa e Zenshin Tamanaha. O Sr. Tysuke Oshiro também foi alvo de homenagem em face do grande auxílio emprestado na pesquisa, mormente pelo acervo histórico armazenado em sua privilegiada memória.

Dia 27.08.2008 – 19:00 h. às 24:30 h.
Com a presença de S.Exa. o Governador do Estado de Mato Grosso do Sul, Dr. André Puccinelli; S.Exa. o Prefeito Municipal da Capital, Dr. Nelson Trad Filho; de S.Exa. a Vice-Governadora da Província de Okinawa, Srª Katsuko Asato; de S.Exa. o Presidente da Assembléia Legislativa da Província de Okinawa, Sr. Zanshin Takamine; de S.Exa. o Presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, Dr. João Carlos Brandes Garcia; de S.Exa. o Deputado Estadual Akira Otsubo; de S.Exa. o vereador Celso Hideo Ianaze e inúmeras outras autoridades e personalidades exponenciais da Capital e, principalmente, com participação de 880 associados e membros da nossa Comunidade, realizou-se no Ondara Pálace a Cerimônia de encerramento e jantar de confraternização dos eventos comemorativos ao Centenário da Imigração Japonesa de Okinawa em Campo Grande.
Durante o dia, as Delegações de S.Exa. a Vice-Governadora de Okinawa-ken Katsuko Asato e de S.Exa. o Presidente da Assembléia Legislativa de Okinawa-ken Zenshin Takamine cumpriram intensa agenda, participando, às 09:00 horas, no SEBRAE-MS, do encerramento do Concurso Fotográfico da Brasil Telecom e Correio do Estado “Você Faz a Foto”, audiências pelo Presidente do Conselho Deliberativo, Sr. Cláudio Fornari e toda a Diretoria; às 10:30 horas por S.Exa. o Prefeito Municipal Nelson Trad Filho; às 10:30 horas com S.Exa. o Governador do Estado André Puccinelli, às 12:30 horas, almoço oferecido por S.Exa. o Governador André Puccinelli no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, com 100 pessoas, entre diretoria e conselho da Associação e autoridades local; às 15 horas, audiências com S.Exa. o Presidente da Assembléia Legislativa do Estado e Deputado Akira Otsubo; às 16:00 horas foram recebidas pelo Dr. Almir Hirokazu Oshiro e André Oshiro da Empresa DISCAUTOL.
Às 18:30 horas, estava programa visita à FEIRA CENTRAL, onde serias recebidas pela Presidenta da ACEFETUR, Srª Alvira Appel Soares de Melos, sua diretoria e feirantes. Esse encontro, porém, em face de descompassos na alteração da agenda, não aconteceu, o que causou constrangimento e desconforto imensurável à Diretoria da Associação perante a dinâmica Presidenta Alvira e a todos os amigos feirantes, o que nos impõe apresentar, mais uma vez, nossas profundas escusas.

Comitiva de Nago-shi – Okinawa-ken – Japão

A Delegação da Cidade de Nago-Okinawa, chefiada pelo Prefeito Shimabukuro Yoshikazu e integrada por Yoshiyuki; Nakazato Koichiro; Shimabukuro Kenyu; Shimabukuro Shigeteru; Shimabukuro Nobuko; Higa Hidenori; Higa Chieko; Higa Ken; Higa Yu; Arakaki Ryoko; Higa Yoko; Nagamine Kazu; Kishimoto Takako; Miyagi Satoko; Maeda Hirotsugu; Maeda Ayako; Miyagi Sachio; Miyagi Mitsuko; Oshiro Kazutoshi; Oshiro Hatsumi; Oshiro Ichiko e Nakamura Yasushi, esteve em Campo Grande nos dias 25 e 26.08.2008, participando dos eventos comemorativos do Centenário de Imigração Japonesa de Okinawa em Campo Grande. A delegação foi recebida pelo Coordenador dos imigrantes e descendentes daquele Município, Sr. Kazunao Miyazato, acompanhado do Presidente da Associação Okinawa Jorge Joji Tamashiro e diversos membros da diretoria e da Comunidade Nago-shi residentes em nossa Capital. A delegação foi recebida em almoço na Fazenda Rincão, de propriedade de Dina Take Ferrel, filha do saudoso Sr. Tatsuo Oshiro, em suculento churrasco à tradicional moda campesina. A recepção foi organizada pelo Consultor Márcio Oshiro, ladeados pelos seus tios Ari, Luiza, Luiz Akira Oshiro e familiares, por sugestão e participação ativa do empresário Akira Oshiro de Nago-shi e primo dos anfitriões.
À noite, sob a coordenação do Sr. Kazunao Miyazato, a Delegação foi recebida em Jantar, ocasião em que S.Exa. o Prefeito Shimabukuro Yoshikazu outorgou diplomas homenageando os imigrantes egressos de Nago-shi com idade igual e acima de 80 anos.
No dia seguinte, 26.08.2008, a delegação participou de eventos comemorativos ao Centenário, na sede da Associação, ocasião em que a Associação homenageou S.Exa. o prefeito Shimabukuro com diploma e troféu comemorativo, assim como S.Exa. prestou homenagem ao presidente da Associação Jorge Joji Tamashiro com entrega de lembranças e kifu-kim.

CENTENÁRIO DA IMIGRAÇÃO JAPONESA EM CAMPO GRANDE-MS. DEPUTADO AKIRA OTSUBO AGRACIA A COMUNIDADE COM OUTORGA DE DIPLOMAS E MEDALHAS.

O parlamentar promove evento cultural no saguão da Assembléia Legislativa, na manhã deste dia 15 de dezembro e, dia 16, no Plenário, à noite, a outorga do diploma Kasato Maru e da medalha de honra do Mérito Legislativo para 16 homenageados.

Fotomontagem: Gutemberg Honorato de Moura

Deputado Akira Otsubo

O deputado Akira Otsubo (líder do PMDB), foi atendido em suas proposições para promover dois grandes eventos na Assembléia Legislativa, sinalizando o encerramento das festividades alusivas ao Centenário da Imigração Japonesa no Brasil. Para o dia 15 de dezembro (segunda-feira) às 09h, no saguão da Casa, o presidente, Jerson Domingos e o proponente, Akira Otsubo, convidam para o Evento Cultural com lançamento do livro da doutora Edna Kohatsu e apresentação de talentos, cultura, história, tradições e exposição de obras de artistas plásticos da comunidade Nikkei.

SESSÃO SOLENE

A fim de homenagear personagens nipo-brasileiros que se destacam no cenário sul-mato-grossense, ao mesmo tempo assinalando o encerramento dos festejos do Centenário, a Casa, com assinatura do presidente Jerson Domingos, outorga diplomas propostos pelo deputado Akira Otsubo. Neste dia 16 de dezembro (terça) às 19h30, no Plenário, recebem o Diploma Kasato Maru e a Medalha de Honra do Mérito Legislativo do Centenário da Imigração Japonesa:

. Dr. André Puccinelli (governador do Estado de Mato Grosso do Sul);
. Deputado Jerson Domingos (presidente da Assembléia Legislativa – Mato Grosso do Sul);
. Dr. Nelsinho Trad (prefeito de Campo Grande);
. Vereador Edil Albuquerque (presidente da Câmara Municipal de Campo Grande);
. Dr. Marcos Paulo Tiguman (presidente da Associação Nipobrasileira de Campo Grande);
. Dr. Jorge Joji Tamashiro (presidente do Clube Okinawa de Campo Grande);
. Sr. Junji Miyakawa (presidente do Clube Social Nipônico de Dourados);
. Sra. Reiko Ide (presidente da Fujinkai de Campo Grande)
. Sr. Dalmo Shundi Otsubo (presidente da Associação Nipobrasileira de Três Lagoas);
. Dr. Carlos Ishikawa (presidente da Federação de Beisebol – Campo Grande);
. Dr. Sérgio Seiki Yonamine (superintendente estadual das Cidades – SECID –, da secretaria de Estado de Meio Ambiente, das Cidades, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia – SEMAC –);
. Professor Kosuke Ono (presidente da Escola Modelo de Língua Japonesa da Associação Cultural Nipobrasileira sulmatogrossense – Dourados);
. Sra. Neide Ono (artista plástica de Campo Grande);
. Dr. Hudson Shiguer Kinashi (procurador de Justiça)
. Dr. Carlos Massashi Ishikawa (presidente da Associação de Beisebol de Campo Grande);
. Sr. Américo Ferreira Calheiros (presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul).

Assessor de Imprensa
Gutemberg Honorato de Moura